UXDE dot Net Wordpress Themes

As novas empresas de comunicação

Por em

Num futuro próximo quando os automóveis autónomos forem uma realidade nas nossas estradas, os passageiros ganharão tempo para fazer um conjunto de atividades digitais, como ver vídeos, navegar nas redes sociais, fazer compras ou simples consultas de informação. O automóvel pode ser assim a próxima grande plataforma de comunicação a ser explorada comercialmente pelas marcas automóveis, produtores de conteúdos ou fornecedores de serviços digitais. Este singelo exemplo demonstra bem as mudanças que estão a ocorrer e continuarão a uma velocidade supersónica nos próximos tempos relativamente a novos players, comportamentos de consumo e modelos de negócios no que à indústria da comunicação diz respeito.

Com a vaga de inovações disruptivas que temos assistido nos últimos 10 anos, as empresas estão a investir cada vez mais na produção de conteúdos e em relações diretas com os seus clientes. Ao mesmo tempo a sociedade afasta-se das formas tradicionais de consumo de conteúdos e informação – com impactos evidentes nos meios de comunicação social, por exemplo – centrando o seu comportamento no digital mas claramente mais fragmentado. Isto exige das marcas novas abordagens, estratégias e capacidades perante a luta intensa que se trava diariamente para captar a atenção dos consumidores.

Grande parte das empresas e marcas a nível global já perceberam que o marketing é insuficiente perante as novas dinâmicas e comportamentos e que a comunicação e o entretenimento são fundamentais para uma ligação direta com os seus clientes. Não é assim exagerado referir que todas as empresas são de comunicação, tal é a importância desta área para o seu sucesso.

Posto isto, e de acordo com alguns investigadores e estudos desenvolvidos, as empresas de comunicação podem enquadrar-se em quatro dimensões:

1)      Criadoras: as empresas que criam conteúdos que podem não ter uma relação direta com o público-alvo. Desenvolvem experiências de conteúdos em vários formatos com o objetivo de ligar fãs a consumos. Agências criativas, editoras de livros, companhias discográficas ou produtoras de TV são alguns exemplos.

2)      Maximizadoras: possuem uma relação direta com o cliente e simultaneamente operam na distribuição. Operadores móveis, players de TV ou concretamente o YouTube e o Spotify integram este grupo.

3)      Modulares: são fornecedores plug-and-play. A relação com o cliente final é escassa ou menos inexistente. Pouco controlo sobre o ambiente no qual os seus produtos ou serviços são distribuídos.

4)       Integradoras: empresas que têm uma relação direta com os consumidores e por isso um forte controlo sobre a experiência do utilizador, incluindo a apresentação dos produtos e serviços. As integradoras dominantes crescem rapidamente e representam oportunidades e ameaças para outros players. As integradoras são as mais promissoras e interessantes, pois reúnem informações de diferentes fontes e criam algo novo, distintivo e com maior valor. Quer um exemplo? Pense no caso da Amazon.

Os dados estão lançados e são evidentes: o mundo da comunicação está cada vez mais intenso e complexo, ao mesmo tempo que se multiplicam os desafios mas também as oportunidades. São assim necessárias empresas com visão mas acima de tudo ágeis e rápidas na execução. Não se esqueça que um bonito powerpoint de nada vale se a seguir não fizer acontecer.

@Renato Póvoas, Managing Parner, Guess What

Related Posts

About the Author

avatar

A Guess What é atualmente uma das mais inovadoras e criativas agências de comunicação e ativação mediática presente no mercado português. Disponibilizamos soluções holísticas de Relações Públicas, Assessoria de Imprensa, Gestão da Reputação, Eventos, Digital Engagement e Buzz Marketing.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>